Descobrindo o Kuwait

O país que abriga uma população de 4,5 milhões de pessoas, um estoque de 104 mil milhões de barris de petróleo e a moeda mais cara do mundo: bem vindo ao Kuwait!

Estava num aeroporto com a minha família e vi uma longa fila de pessoas se estender diante da Jazeera Airways.

Jazeera Airways?

“Nunca vi antes essa companhia aérea!”, pensei eu.

Meu pai também não, e pesquisando no Google, percebemos que não era apenas a companhia aérea que desconhecíamos, mas também o país de origem da mesma – o Kuwait.

Naquele mesmo instante comecei a buscar informações e pesquisar sobre o Kuwait foi muito interessante! 

Compartilho contigo a partir de agora fatos e curiosidades sobre o Kuwait, país que conta com 104 mil milhões de barris de petróleo, a moeda mais valiosa, e um dos rendimentos per capita mais elevados do mundo!

Ficha Técnica do Kuwait

A começar, é importante saber a pronúncia correta do país. Eu pronunciava como aquela marca de refrigerante, Kuat, com uma letra “i” entre o “a” e o “t”.

Mas não. O correto de pronunciar é ku-ueit, tal como o “wait” de “esperar”, do inglês. E a primeira sílaba é aquela que tu já sabe. 😁

“Kuwait” é derivado de uma palavra árabe que significa “forte”. Até o século XVIII, o Kuwait quase não tinha assentamentos, mas a área era visitada por nômades que iam e vinham. No entanto, quando a seca atingiu a área desértica da qual os nômades dependiam para a sua sobrevivência, eles começaram a construir fortes para se protegerem de outras tribos nômades e transeuntes, daí a origem do nome do país.

Quando visto de cima, o Kuwait está localizado na costa do Golfo Pérsico, no nordeste da Península Arábica.

Situado em terreno plano, tem uma porção significativa coberta pelo Deserto Arábico. Partilha a sua fronteira norte com o Iraque e a sua fronteira sul com a Arábia Saudita.

Kuwait: localização geográfica e bandeira

Com a Cidade de Kuwait como capital, em termos de área territorial, o Kuwait é um dos menores países do mundo. Possui uma área de apenas 17.000 quilômetros quadrados! É um pouco maior em área do que o estado americano do Havaí. 

Dentro desta pequena área habita uma população de cerca de 4,5 milhões de pessoas.

O território do Kuwait inclui nove ilhas, as maiores das quais são as desabitadas Būbiyān e Al-Warbah. Por outro lado, a ilha de Faylakah, localizada perto da entrada da baía do Kuwait, é habitada desde os tempos pré-históricos.

Os kuwaitianos falam um dialeto do árabe do Golfo, e o árabe padrão moderno é ensinado nas escolas. O inglês é a segunda língua ensinada nas escolas públicas. Hindi, urdu e persa são alguns dos outros idiomas amplamente falados pela população estrangeira.

Quem habita no Kuwait é designado nem kuwaitiense nem kuwaitino, mas kuwaitiano.

Como é o clima no Kuwait?

O clima do Kuwait é desértico, e nas regiões das margens das águas quentes do Golfo, é temperado, ou seja, há uma divisão bem definida entre as quatro estações do ano. 

Quando há suficiente quantidade de chuva, o deserto fica verde de meados de março até o final de abril. 

Durante junho e julho, o shamāl, um vento de noroeste comum desta época do ano, causa dramáticas tempestades de areia.

Mas durante a estação seca, entre abril e setembro, o calor é intenso – as temperaturas diurnas normalmente atingem 44°C e por vezes aproximam-se dos 54°C!

O calor é tão intenso que os kuwaitianos tiveram que mudar o dia nacional de 19 de junho para 25 de fevereiro, a fim de permitir que as pessoas celebrassem confortavelmente a data, sem morrer de calor ao ar livre.

O inverno é mais agradável. Podem até ocorrer ocasionalmente geadas no interior do país.

A precipitação média anual é de apenas 25 a 180 mm, principalmente entre outubro e abril, embora as chuvas torrenciais possam trazer mais de 50mm de chuva em um único dia.

O clima rigoroso limita os mamíferos às ocasionais gazelas, raposas e civetas. Civetas são mamíferos de origem africana de até 90 cm de comprimento e pelagem negra com manchas brancas, de aparência similar a das raposas. Uma curiosidade das civetas é que elas secretam almíscar, muito utilizado na produção de perfumes. E olha que ironia – o almíscar é uma secreção oleosa provinda sabe de onde? Das glândulas anais das civetas!

Também são as civetas umas das responsáveis pela produção do exótico e famoso café advindo da deglutição e da excreção de grãos de café feita por estes mamíferos.

Civeta africana

Voltando à fauna de Kuwait, o país também é lar de lagartos e da rara e venenosa víbora da areia, a Cerastes vipera.

Os falcões são encontrados em vários lugares do Kuwait. Os selos e moedas do Kuwait sempre contêm imagens de falcões. Ele é a ave nacional do Kuwait.

A interessante história do Kuwait

Durante a história antiga, a área que hoje é o Kuwait era muitas vezes um interior de áreas vizinhas mais poderosas. Estava ligado à Mesopotâmia na Era Ubaid, começando por volta de 6.500 aC; e à Suméria por volta de 2.000 aC.

Neste ínterim, entre cerca de 4.000 e 2.000 aC, um império local chamado Civilização Dilmun controlava a baía do Kuwait, de onde dirigia o comércio entre a Mesopotâmia e a civilização do Vale do Indo, onde hoje é o Paquistão.

Baía do Kuwait

Após o colapso de Dilmun, o Kuwait tornou-se parte do Império Babilônico por volta de 600 aC. Quatrocentos anos depois, os gregos comandados por Alexandre, o Grande, colonizaram a área.

O Império Sassânida da Pérsia conquistou o Kuwait em 224 EC. Em 636 dC, os sassânidas lutaram e perderam a Batalha das Correntes no Kuwait. Foi o primeiro passo na rápida expansão do Islão na Ásia. 

Sob o domínio dos califas, o Kuwait tornou-se mais uma vez um importante porto comercial ligado às rotas comerciais do Oceano Índico.

Quando os portugueses abriram caminho para o Oceano Índico no século XV, vários portos comerciais foram tomados, incluindo a baía do Kuwait. 

Enquanto isso, o clã Bani Khalid fundou o que hoje é a Cidade do Kuwait em 1613, como uma série de pequenas vilas de pescadores. O Kuwait não era apenas um importante centro comercial, mas também um lendário local de pesca e mergulho de pérolas. Comercializou com várias partes do Império Otomano no século 18 e tornou-se um centro de construção naval.

O Kuwait ficou sob o domínio do Império Otomano de 1800 a 1899, quando o desafiou com a garantia da proteção da Grã-Bretanha. Deste modo, o Kuwait passou a se tornar uma colônia britânica. 

A economia do Kuwait entrou em crise nas décadas de 1920 e 1930. No entanto, o petróleo foi descoberto em 1938, com a promessa de futuras riquezas petrolíferas.

O período entre 1946 e 1982 é conhecido como a “Era de Ouro” para o Kuwait. O país tornou-se próspero, alcançando a independência da Grã-Bretanha em 1961.

Mas em 1980, eclodiu a Guerra Irã/Iraque.

Guerra Irã/Iraque

Temendo a influência do Irã após a Revolução Islâmica de 1979, o Kuwait forneceu ao Iraque enorme quantidade de ajuda.

Em retaliação, o Irã atacou petroleiros do Kuwait, até que a Marinha dos EUA interveio. 

No entanto, em agosto de 1990, mesmo com as condenações das Nações Unidas, das principais potências mundiais, da Liga Árabe e da Comunidade Europeia (atual União Europeia), Saddam Hussein ordenou a invasão e a anexação do Kuwait!

Os veementes sentimentos anti-iraquianos nutridos por praticamente todos os kuwaitianos somados aos esforços diplomáticos do governo do Kuwait no exílio na Arábia Saudita não impediram o Iraque de impor duramente o seu domínio ao Kuwait.

Então, em meados de janeiro de 1991, uma coligação de nações liderada pelos Estados Unidos e pela Arábia Saudita começou a lançar ataques aéreos contra as forças iraquianas e cinco semanas mais tarde conduziu um ataque terrestre ao Kuwait e ao Iraque. 

No final de fevereiro, o Kuwait foi libertado do controle iraquiano. 

As tropas iraquianas, em retirada, vingaram-se incendiando os poços de petróleo do Kuwait!

Camelos são vistos fugindo de um grande incêndio no campo petrolífero de al-Ahmadi, Kuwait, 1991, depois que as forças de Saddam Hussein incendiaram os campos petrolíferos após sua derrota na Primeira Guerra do Golfo. Cortesia: Steve McCurry
Camelos são vistos fugindo de um grande incêndio no campo petrolífero de al-Ahmadi, Kuwait, 1991, depois que as forças de Saddam Hussein incendiaram os campos petrolíferos após sua derrota na Primeira Guerra do Golfo. Cortesia: Steve McCurry

A economia do Kuwait sofreu um terrível impacto diante destes acontecimentos. Mas o riqueza petrolífera do país o fez dar uma incrível retomada!

De onde vem a riqueza do Kuwait?

Depois do Qatar, o Kuwait é o segundo país mais rico do GCC (Conselho de Cooperação do Golfo).

Toda essa riqueza vem do ouro preto, o petróleo.

O Kuwait é o terceiro país com mais petróleo no mundo!

Atualmente, o país com mais petróleo é a Venezuela com 300 mil milhões de barris; seguida pela Arábia Saudita, com 266 mil milhões de barris.

O Kuwait afirma deter cerca de 104 mil milhões de barris de petróleo, a maior parte (70 mil milhões de barris) localizada no campo de Burgan.

As reservas de petróleo do Kuwait são a sexta maior do mundo e o país possui quase 10% das reservas comprovadas do petróleo mundial. Acredita-se que tais reservas sejam suficientes para sustentar os atuais níveis de produção durante cerca de 150 anos!

Extração de petróleo no Kuwait

O custo da produção de petróleo no Kuwait é o mais baixo do mundo devido ao fato de o petróleo estar próximo da superfície da terra, tornando fácil e econômico o seu transporte até ao topo.

Por exemplo, a maioria dos tanques de armazenamento fica a alguns quilômetros da costa marítima, a uma altura de cerca de 90 metros, o que permite que as operações de carregamento sejam realizadas por gravidade ao invés de bombas.

O petróleo e os produtos derivados do petróleo representam praticamente a totalidade das exportações do Kuwait, sendo a Ásia e o Médio Oriente os mercados mais importantes. 

O Kuwait também possui reservas consideráveis ​​de gás natural, quase todas sob a forma de gás associado – ou seja, gás que é produzido juntamente com o petróleo bruto.

No quesito agricultura, o Kuwait tem muito pouco a oferecer. Apenas 1% da área total disponível do país é utilizada para o cultivo.

As importações do Kuwait – principalmente máquinas e equipamentos de transporte, bens manufaturados e alimentos – são provenientes essencialmente da China, dos Estados Unidos, dos estados do Golfo Árabe e de países da União Europeia.

Kuwait, povo e cultura

O Kuwait é um país jovem, com cerca de um quarto da população com menos de 15 anos. A expectativa de vida dos homens é de 77 anos; e das mulheres, 79. 

Existe cerca 141 homens para cada 100 mulheres no país.

O Kuwait é um dos países mais urbanizados do mundo, pois a maioria da população do país vive na Cidade do Kuwait, a capital do país.

Embora a taxa de natalidade do Kuwait seja aproximadamente igual à média mundial, a baixa taxa de mortalidade do país levou a uma elevada taxa de aumento natural. A principal causa de morte são as doenças circulatórias.

O Kuwait tem uma grande população de indivíduos obesos, aproximadamente 42,8%. Uma grande parte da população ultrapassou a marca do excesso de peso. É o país com maior excesso de peso no Médio Oriente e um dos mais obesos do mundo. 

Os cidadãos do Kuwait são quase inteiramente muçulmanos. A maioria são sunitas, mas cerca de um terço são xiitas. 

Mas o Kuwait tem algumas das leis religiosas mais livres do Golfo.

Igrejas foram construídas e há cristãos, hindus e budistas no país, todos com liberdade de praticar suas religiões.

Os homens muçulmanos habitantes do Kuwait têm o direito de casar com várias mulheres.

As mulheres não precisam cobrir-se totalmente, mas espera-se que se vistam de acordo com as regras da Sharia.

Tanto no setor público como no privado, o Kuwait é fortemente dependente da mão-de-obra estrangeira. Os cidadãos do Kuwait são em grande parte empregados pelos setores público e governamental, enquanto os imigrantes constituem 80% da força de trabalho do país.

Os habitantes locais são uma minoria no país, já que cerca de 70% da população do Kuwait são expatriados, provindos especialmente de outros locais da Arábia, do sul da Ásia, do Irã, da Síria, do Egito, do Paquistão, da Índia, do Nepal, dentre outros localidades. A maior parte desta população migrou para a região após a descoberta do petróleo, em busca de oportunidades de emprego.

A deliciosa culinária do Kuwait é influenciada pelos sabores árabes, persas e indianos. Pratos de dar água na boca incluem machboos, margoog e harees.

A refeição tradicional do Kuwait consiste em arroz condimentado coberto com carne, peixe ou marisco retirado do Golfo Pérsico.

Por que o Kuwait tem a moeda mais cara do mundo?

O Dinar Kuwaitiano é a moeda de maior valor no mundo, mais valiosa que o euro e o dólar americano.

Atualmente, a cotação dinar kuwaitiano para real brasileiro é mais de R$16,00!

A moeda do país é tão valiosa que mesmo dentro da sua própria sociedade, uma unidade de Dinar carrega um grande significado. Um exemplo disso é o fato de terem cunhado um quarto de dinar em forma de nota.

Como o petróleo ainda é o principal combustível necessário para o mundo, muitos países são obrigados a comprar petróleo do Kuwait. Os kuwaitianos, conscientes desta vantagem, tomaram uma medida muito inteligente para os interessados no comércio – eles só vendem em sua própria moeda!

Portanto, se um país estrangeiro quiser comprar petróleo do Kuwait, terá de adquirir dinares kuwaitianos. Os países que não possuem esta moeda não têm hipótese de comprar petróleo do Kuwait.

É por isso que o Dinar do Kuwait é uma moeda procurada e altamente valorizada em todo o mundo.

O dinar foi introduzido em 1960 no Kuwait e inicialmente tinha um valor equivalente a uma libra esterlina. Substituiu a antiga moeda, a rupia do Golfo. Por um curto período, durante a invasão do Kuwait pelo Iraque, o dinar do Kuwait foi substituído pelo dinar iraquiano. 

Depois que as forças invasoras foram expulsas, a moeda do país foi mais uma vez restaurada. Muitas notas foram roubadas pelos iraquianos durante a invasão. O governo do Kuwait desmonetizou a moeda para inutilizar as notas roubadas e introduziu uma nova série de notas.

Há escassez de água no Kuwait?

O Kuwait é desprovido de rios e lagos permanentes, o que significa que fontes de água doce, que é a água própria para consumo, é escassa no país.

Antes da Segunda Guerra Mundial, a água para consumo do Kuwait tinha que ser importada.

Após esse período, o país começou a utilizar poços e realizar a dessalinização da água do mar para consumo e outros fins. O Kuwait atualmente detém as maiores e mais avançadas fábricas de dessalinização do mundo para produzir água para seu consumo.

A arquitetura mais icônica da capital são as Torres de Água que sim, armazenam água.

Construídas na década de 1970, essas torres foram danificadas durante a Guerra do Golfo pelo Iraque, mas foram restauradas em 1992, e voltaram a ser um símbolo do país. As torres hoje servem como atração turística, sendo possível observar a cidade de uma altura de 125 metros.

Qualidade de vida no Kuwait

Os cidadãos do Kuwait desfrutam dos benefícios de um generoso sistema de bem-estar social que garante emprego, habitação, educação e cuidados médicos.

O Ministério de Assistência Social oferece um programa que proporciona habitação adequada e acessível, totalmente equipada com instalações modernas para cidadãos com rendimentos limitados. 

Os padrões de habitação no Kuwait são geralmente elevados. As antes habitações tradicionais, com paredes de barro de um a dois andares, deram lugar a casas e complexos de apartamentos de estilo moderno na maior parte do país.

O Kuwait também possui um sistema nacional de saúde abrangente e altamente desenvolvido. Em 1976, o governo criou o Fundo de Reserva do Kuwait para as Gerações Futuras e reserva anualmente 10% das receitas do Estado para tal conta.

Quase toda a população é alfabetizada. A educação geral no Kuwait é totalmente gratuita e obrigatória para kuwaitianos nativos com idades entre 6 e 14 anos. Também é por conta do Governo a alimentação escolar, os livros, os uniformes, o transporte e atendimento médico. 

A Universidade do Kuwait foi fundada em 1964. A grande maioria dos seus alunos são kuwaitianos e cerca de três quintos são mulheres. Outras instituições de ensino superior incluem a Faculdade de Estudos Tecnológicos e a Universidade Americana do Kuwait. 

Milhares de estudantes frequentam faculdades e universidades no exterior, principalmente nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha e no Egito, geralmente com bolsas de estudo estatais.

O Kuwait não cobra imposto de renda individual. Grande parte das receitas do governo provém do petróleo, bem como de impostos sobre empresas estrangeiras.

Algumas curiosidades sobre o Kuwait

No Kuwait são proibidos partidos políticos. No lugar deles, há organizações com representantes no parlamento. 

A despesa militar per capita do Kuwait está entre as mais altas do mundo e a relação hostil com o Iraque, após a Guerra do Golfo Pérsico, é a principal responsável por isto. Os homens do Kuwait são obrigados a servir dois anos nas forças armadas (estudantes universitários podem receber isenção de um ano). Além disso, as tropas dos EUA estão estacionadas no país desde o início da década de 1990, e o Kuwait também tem acordos de defesa com outros países, incluindo a Rússia, o Reino Unido e a França. 

Os kuwaitianos competem em nível nacional e internacional nos dois esportes mais praticados no país – o futebol e o golfe. As receitas do petróleo permitiram ao governo apoiar generosamente o esporte e o Kuwait possui vários estádios capazes de acolher competições internacionais. 

A Torre da Libertação, esta da imagem à esquerda, é um símbolo da libertação do Kuwait da ocupação iraquiana. Tem 372 metros e oferece vistas deslumbrantes das áreas circundantes.

Está previsto para 2030 a conclusão do arranha-céu Burj Mubarak al-Kabir, com cerca de um quilômetro – mil metros – de altura! Se nenhum outro edifício mais alto for erguido até então, esta torre será a mais alta do mundo na data de sua conclusão.

Vários gêneros musicais populares no mundo árabe nasceram no Kuwait. Um exemplo é o sawt, uma forma complexa de música urbana. Originalmente, mirwas (um tambor) e ud (uma flauta dedilhada) eram usados ​​para tocar essa música. Mais tarde, um violino foi usado para complementar o arranjo. A música é acompanhada por uma dança executada por dois homens. 

O Kuwait tem a maior casa de ópera do Oriente Médio! O JACC ou Centro Cultural Sheikh Jaber Al-Ahmad foi fundada por Amiri Diwan para entreter e educar os kuwaitianos. O local abriga bibliotecas, cinemas, salas de exposições, salas de concerto, teatros, etc. Todo o complexo tem uma área de 214 mil metros quadrados.

No Kuwait são utilizadas tomadas tipo C e G e motoristas dirigem no lado direito da estrada.

Devido ao elevado custo de vida, não é fácil para os turistas estrangeiros escolherem o Kuwait como destino de visitação, pois até o dinheiro de um europeu é dividido por três quando chega a este país. Mas para os bem afortunados, espero que essa leitura seja útil e esclarecedora para uma futura viagem. E para os curiosos, um instrutivo e agradável acervo de informações.

Gostou deste artigo? Então compartilha com alguém!

Uma resposta

  1. Que conteúdo rico! Obrigada por compartilhar 🤩 Amo esse tipo de informação 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga-me nas Redes

Mais Lidos

Categorias

Você também vai gostar disso:

Bandeira da Finlândia com vista de fundo para o local, o país mais feliz do mundo
Países e Culturas

O que faz da Finlândia o país mais feliz do mundo?

Pelo sétimo ano consecutivo, a Finlândia conquistou o primeiro lugar na classificação anual dos países mais felizes do mundo do Relatório Mundial sobre Felicidade. O que a Finlândia tem de tão especial?

Uma mochila desorganizada me ajudou a organizar minha vida
Comportamento

Crônica de uma mochila

Uma reflexão e uma mudança inspiradas em uma simples e mera mochila.

Por que as pessoas não gostam de ficar em silêncio?
Comportamento

Você tem medo do silêncio?

O silêncio deixa você desconfortável? Você precisa estar na companhia de um barulhinho pra se sentir melhor? Tenho certeza que você vai aprender muito com esta leitura.